O Programa dos 10 Pontos



O Programa dos Dez Pontos é um processo de aprendizagem estruturado através do qual a pessoa sem experiência prévia pode progredir à independência na água. Isso acontece através do domínio e controle de movimentos no ambiente aquático.


Através dos Dez Pontos o “nadador” gradativamente, melhora a respiração, equilíbrio e controle de movimentos, torna-se mais confiante na água e experimenta maior liberdade em imersão.


Isto é conseguido através do trabalho na relação um-para-um, com um instrutor que dá apoio adequado permitindo ao “nadador” aprender sem o uso de flutuadores artificiais. Sempre que possível o “nadador” inicia e controla os movimentos, o instrutor dá o apoio quando e se necessário.


Para muitos o Programa dos Dez Pontos será a oportunidade de aprender a nadar com competência, enquanto que para outros dará a chance de participar em outras atividades aquáticas.


Os Dez Pontos são:


1. Adaptação Mental

2. Desligamento

3. Controle da Rotação Transversal

4. Controle da Rotação Sagital

5. Controle da Rotação Longitudinal

6. Controle da Rotação Combinada

7. Empuxo

8. Equilíbrio em imobilidade

9. Deslize em Turbulência

10. Progressões Simples e Movimentos Básicos de Natação


1. Adaptação Mental

Estar na água é diferente que em solo. Uma vez na água, o “nadador” deve aprender a responder apropriadamente a este novo ambiente, situações ou tarefas.

Adaptação Mental é um processo continuo através de todo processo de aprendizagem. Por exemplo: aprender o controle da respiração (um aspecto da Adaptação Mental), pode começar como uma habilidade separada, apenas assoprando a superfície da água, mas que depois; será combinado com outra habilidade, por exemplo: sentar no fundo da piscina.


                               


2. Desligamento

Desligamento é um processo continuo de aprendizagem no qual o “nadador” torna-se física e mentalmente independente. Por exemplo: um “nadador” que tem medo de se movimentar na água necessitará muito apoio mas, quando se torna mais confiante e melhora o equilíbrio, necessitará menos apoio e estará mais desligado do instrutor.


   


3. Controle da Rotação Transversal

Controle da Rotação Transversal é a habilidade de controlar movimentos ao redor do eixo indo de lado a lado (eixo fronto-transversal). Por exemplo: (i) da posição em pé, inclinar-se à frente para soprar bolhas (ii) da posição em pé para a flutuação de costas na água (iii) da posição de flutuação de costas para a posição em pé (com ou sem apoio) (iv) ser capaz de manter a posição em pé sem desequilibrar para frente ou para trás.



4. Controle da Rotação Sagital

Controle da Rotação Sagital é a habilidade de controlar movimentos para o lado ao redor do eixo, indo da frente para trás (eixo sagito-transversal). Por exemplo: (i) na posição em pé colocar um ouvido na água (ii) na posição em pé realizar movimentos laterais.




5. Controle da Rotação Longitudinal

Controle da Rotação Longitudinal é a habilidade de controlar movimentos ao redor do eixo longo do corpo como o eixo que passa desde a cabeça até o dedo do pé (eixo sagito-frontal). Este movimento pode ser na posição em pé ou em flutuação na horizontal. Por exemplo: (i) na posição em pé girar no mesmo lugar (ii) da posição de rosto na água rolar para a posição de flutuação horizontal (iii) quando nadando de frente, girar para inspirar.



6. Controle da Rotação Combinada

Controle da Rotação Combinada é a habilidade de controlar movimento utilizando qualquer combinação de rotações. Dá ao “nadador” o controle nas três dimensões de movimentos na água. Por exemplo: (i) da posição sentado na borda, entrar na água rolando até a posição de flutuação de costas na horizontal. (ii) readquirir uma posição estável, em flutuação de costas, após desequilibrar à frente. (iii) virada olímpica quando nadando na direção da borda.



7. Empuxo

Empuxo é uma propriedade física da água que possibilita, a maioria dos “nadadores”, a flutuação na água. “Nadadores” precisam acreditar que a água dará apoio. Este processo frequentemente é chamado de inversão mental, porque o “nadador” deve inverter seu pensamento e perceber que flutua e não afunda. Neste momento do Programa dos Dez Pontos, atividades de submersão são ensinadas, assim, submergindo, você experimenta o Empuxo e como é difícil permanecer embaixo dágua. Exemplos de empuxo são: (i) o “nadador” retira seus pés do fundo da piscina e sente que a água pode sustentá-lo (saltando como Coelho) (ii) recolher objetos do fundo da piscina e sente o empuxo trazendo você de volta a superfície.



8. Equilíbrio em imobilidade

Equilíbrio em imobilidade é a habilidades de manter-se parado na água. Pode ser em diferentes posições e é dependente de ambos: controle do equilíbrio físico e mental. Flutuação é um exemplo de equilíbrio e imobilidade, por exemplo: (i) posição de flutuação na horizontal, (ii) na vertical, (iii) flutuação em Cogumelo. Quando equilibrado, outras atividades podem ser realizadas mais facilmente.



9. Deslize em turbulência

No Deslize em Turbulência o “nadador”, na posição de flutuação de costas é movimentado através da água pelo instrutor sem nenhum contato físico entre eles. Isto é possível quando o instrutor faz turbulência em baixo do ombro do “nadador” ao mesmo tempo em que caminha para trás. O “nadador” tem que controlar rotações indesejadas e não realiza qualquer movimento de propulsão.



10. Progressões Simples e Movimentos Básicos de

Natação

Progressões Simples são movimentos básicos de propulsão. Podem ser simples movimentos com braços, pernas ou mesmo com o tronco. Por exemplo na posição de flutuação horizontal (i) aplaudir os lados do corpo, (ii) movimentos de remos com as mãos, (iii) bater as pernas.

Movimentos Básicos de Natação podem consistir de movimentos que requerem coordenação mais complexa e, normalmente, poderão envolver elevar os braços fora da água e incluir um elemento de deslize (equilíbrio em imobilidade).

Por exemplo: na posição de flutuação de costas com os braços ao lado do corpo, traga-os rente à superfície da água até a altura dos ombros depois, com os braços na água, mova-os até o lado do corpo, deslize e comece novamente o movimento.



Dominando a habilidade de controlar todos os pontos do Programa dos Dez Pontos Halliwick, o “nadador” é capaz de empregar uma ampla variedade de atividades na água. Ele pode brincar, submergir, competir e aprender estilos de natação. Neste momento o “nadador” alcançou sua independência na água.


Halliwick na Terapia

Terapeutas que trabalham no ambiente aquático podem usar o Programa dos Dez Pontos do Conceito Halliwick e sua filosofia como abordagem terapêutica, promovendo o bem estar de estruturas físicas e função corporal o que melhorará o aprendizado motor e a independência funcional.


A qualidade de vida individual esta no centro da abordagem holística de saúde usado no modelo Biopsicossocial da Classificação Internacional de Funcionalidade Deficiência e Saúde (CIF) da Organização Mundial de Saúde (WHO 2001).


A abordagem holística do Halliwick de ensinar as pessoas a participar de atividades aquáticas, mover com independência e a nadar adapta-se bem à estrutura da CIF.


Terapeutas que desejarem atuar em limitações específicas podem usar a estrutura do Halliwick na atenção de áreas como: do movimento (incluindo amplitude, coordenação e planejamento) força, histamina, capacidade respiratória, controle oral, habilidade física, etc. A água também será um valioso local para integração sensorial.


Habilidades sociais, comunicação, capacidade mental, bem estar psicológico e auto-estima podem ser desenvolvidos através das sessões de Halliwick, especialmente quando trabalhado em grupos.


O Halliwick introduz um novo fator ambiental para se trabalhar estratégias no movimento e controle do equilíbrio de forma diferente. Os atributos do ambiente aquático, mais especificamente das propriedades físicas de água, podem ajudar a pessoa a promover suas habilidades físicas, emocionais e integração social (Harris, 1978; Adams& McCubbin,1991; abordar & Datillo, 1996; Hutzler et al, 1998; Cole & Becker, 2004; Getz, 2006).


O Programa dos Dez Pontos melhora a habilidade do paciente para iniciar e executar movimentos e atividades difíceis de serem realizadas no solo.


Oportunizar a pratica de movimentos no ambiente aquático pode facilitar novos padrões que aumentam o reconhecimento e entendimento de diferentes conceitos da aprendizagem motora, processamento sensorial e aprendizado cognitivo e desenvolve a capacidade da organização de padrões de movimentos e controle das atividades de vida diária. (MacKinnon, 1997; Bumin et al., 2003; Getz, 2006; Getz et al., 2007).


Nadar é uma atividade importante na promoção do bem-estar e expectativa de vida. Como descrito anteriormente, a natação, como ferramenta terapêutica, tem papel importante na melhora e manutenção da saúde


Conclusão

O Conceito Halliwick é uma abordagem para ensinar pessoas a participar de atividades aquáticas, a mover com independência e nadar. Isto é obtido através do Programa dos Dez Pontos. Além de ser uma maneira bem sucedida de ensinar natação a qualquer um, também pode ser utilizado na terapia.


A Associação Halliwick Internacional (IHA) é uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivos a promoção e o desenvolvimento internacional do Conceito Halliwick. Para mais detalhes sobre a IHA visite o site www.halliwick.org. Se estiver interesse em participar ou organizar de cursos, veja detalhes sobre os Instrutores e como contatá-los no campo “Courses and IHA Lecturers” do site.

Ilustrações de Jean-Pierre Maes



Se este artigo despertou seu interesse, ele poderá ser copiado e/ou postado a Sites relevantes na condição que seja copiado/publicado todo seu conteúdo, textos e imagens não devem ser alterados e referências devem ser feitas a: O CONCEITO HALLIWICK 2010, Comitê de Educação e Pesquisa da Associação Halliwick Internacional - www.halliwick.org.

Se incluir qualquer parte do artigo acima favor referenciar a: ‘O CONCEITO HALLIWICK 2010, Comitê de Educação e Pesquisa da Associação Halliwick Internacional - www.halliwick.org.